Alíquota do ICMS e FECOMP
 
 
ICMS
    - Acre
    - Mato Grosso
    - Mato Grosso do Sul
    - Rondônia
IPI
    - Matérias
ISS
    - Campo Grande/MS
    - Cuiabá/MT
    - Lucas do Rio Verde/MT
    - Porto Velho/RO
    - Rio Branco/AC
OUTROS
PAUTA FISCAL
    - Mato Grosso
    - Mato Grosso do Sul
SPED
    - CF-e
    - CL-e
    - CT-e
    - EFD
    - MDF-e
    - NF-e
    - NFC-e
    - NFS-e
    - SCD-e
SUFRAMA
UNIFICAÇÃO DO ICMS
 
 
Acre
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Rondônia
 
 
Notícias em geral
 

P�gina Inicial - Fique por dentro - Alíquota do ICMS e FECOMP - Alíquota do ICMS e FECOMP
01/04/2016
Alíquota do ICMS e FECOMP do Estado do Acre

Nota: Até a data desta publicação não foi instituído o Fundo de Combate à Pobreza no Estado do Acre

Regulamento do ICMS  - 1998-0008

SEÇÃO III

DAS ALÍQUOTAS

 

Art. 17. As alíquotas do imposto, seletivas em função da essencialidade das mercadorias e serviços são:


I -nas operações e prestações internas com mercadorias e serviços de transportes, dezessete por cento;

 

II - nas operações e prestações interestaduais, doze por cento, ressalvado o disposto nos §§2º e 3º;

 

III -nas operações e prestações internas, 25% (vinte e cinco por cento) para:

 

1) armas e munições, exceto espingardas, chumbos, pólvoras, espoletas e cartuchos;

 

2) embarcações de esporte e recreação;

 

3) perfumes, jóias, cigarros, fumos e seus derivados;

 

4) automóveis importados;

 

5) bebidas alcoólicas

 

6) combustíveis, exceto gás liquefeito de petróleo para uso doméstico e óleo diesel destinado a geração em usinas geradoras de energia elétrica, concessionárias de serviço público.

 

7) comunicação; e

 

8) energia elétrica.

 

IV - nas operações de exportações e prestações de serviços de comunicações ao exterior - 13% (treze por cento);

 

V - as operações e prestações internas de distribuição de energia elétrica obedecerão ao seguinte:

 

a) consumo mensal de até 100 kWh,isentas;

 

b) REVOGADO (Decreto nº 2.716, de 11 de junho de 2015)

 

c) mais de 100 Kwh até 140 kWh, dezessete por cento;

 

d) acima de 140 kWh, vinte e cinco por cento.

§ 1º  A alíquota interna será também aplicada quando:

 

I - nas prestações de serviços de comunicação iniciadas no exterior; e,

 

II - da arrematação de mercadoria e bens apreendidos.

 

2º Aplica-se a alíquota de quatro por cento nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior que, após o desembaraço aduaneiro:

 

I - não tenham sido submetidos a processo de industrialização; e,

 

II - ainda que submetidos a processo de transformação, beneficiamento, montagem, acondicionamento, reacondicionamento, renovação ou recondicionamento, resultem em mercadorias ou bens com conteúdo de importação superior a quarenta por cento.

 

§ 3º Não se aplica o disposto no § 2º nas operações interestaduais com:

 

I - bens e mercadorias importados do exterior que não tenham similar nacional, definidos em lista editada pelo Conselho de Ministros da Câmara de Comércio Exterior - CAMEX - para os fins da Resolução do Senado Federal nº 13/2012;

 

II - bens e mercadorias produzidos em conformidade com os processos produtivos básicos de que tratam o Decreto - Lei nº 288, de 28 de fevereiro de 1967, e as Leis nºs 8.248, de 23 d

e outubro de 1991, 8.387, de 30 de dezembro de 1991, 10.176, de 11 de janeiro de 2001, e 11.484, de 31 de maio de 2007; e,

 

III - gás natural importado do exterior.

 

§ 4º Na operação interestadual com bem ou mercadoria importados do exterior, ou com conteúdo de importação, sujeitos à alíquota do ICMS de 4% (quatro por cento) prevista na Resolução do Senado Federal nº 13, de 25 de abril de 2012, não se aplica benefício fiscal, anteriormente concedido, exceto se:

 

I - de sua aplicação em 31 de dezembro de 2012 resultar carga tributária menor que 4% (quatro por cento);

 

II - tratar-se de isenção; e

 

III - Na hipótese do inciso I do caput , deverá ser mantida a carga tributária prevista na data de 31 de dezembro de 2012.

 

Art. 18. Nas operações e prestações interestaduais que destinem bens e serviços a consumidor final não contribuinte do ICMS localizado neste Estado, adotar-se-á diferença entre a alíquota interna prevista no art. 17 e a interestadual.

 

I - REVOGADO (Decreto nº 3.912, de 30 de dezembro de 2015)

 

II - REVOGADO (Decreto nº 3.912, de 30 de dezembro de 2015)

 

Parágrafo único. Aplica-se o disposto no caput deste artigo aos contribuintes optantes pelo Simples Nacional, hipótese em que a diferença de alíquotas será calculada tomando-se por base as alíquotas aplicáveis às pessoas jurídicas não optantes pelo Simples Nacional.

 

Art. 19. Em se tratando de devolução das mercadorias, utilizar - se-á a alíquota e a base de cálculo adotadas no documento fiscal que houver acobertado a operação de entrada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Aten��o: A leitura deste cont�do � exclusivamente para assistes. Para ler a mat�ria toda cadastre-se GR�TIS, ou clique aqui e fa�a o login.
Nome:
E-mail:
E-mail:
Senha:
Desenvolvido por: Ideiasweb